Com vocês, Quarta Feira.

Eu disse que eu voltaria, vadias.

Ilustração – Sam Ballardini

Sam Ballardini faz ilustrações e coloca no seu tumblr (por que seu site ainda está vazio, coitado), às vezes ele faz gifs como essa de cima, o que por si só já é mais empenho do que eu imagino que seja possível. A arte dele tem esse quê de algo que faltou ser explicado, ser completo, sei lá.. se você olhar muito tempo vai começar a tentar virar a cara pra ver os ângulos ocultos e ver coisas e vai ficar louco e se matar com um removedor de clipes. Recomendo 10/10.

Fotografia – Thomas Prior

E tem uma coisa desconcertante também na fotografia do Thomas Prior, principalmente nesse projeto que ilustra o post, chamado Tultepec. São todas fotos tirada em uma cidade do México (chamada Tultepec), no dia da “Quema de Toros”, data cuja qual não sei muito sobre, nem pretendo saber muito, que é pra não estragar a graça da coisa. As imagens, principalmente nesse clima de manifestações recente, parecem tanto quanto cenas de guerrilha quanto de comemoração, em um primeiro olhar um grupo fugindo de uma bomba, em outro são fogos de artifício.

Fotografia – Cope & Arnold

A fotografia de Nicholas Alan Cope e Dustin Edward Arnold também tem essa vibe de uma coisa incompleta, uma ação, cenário, personagem ou situação que parece fazer parte de uma coisa maior, que você não sabe o que é.. Mesmo sendo um monte de tinta (será?) parece muito dramático e pesado..

Vídeo – Malaria

Malária é um curta que combina Origami, Kirigami, TIme Lapse, Ilustração, Quadrinhos e Faroeste, foi um projeto criado para a competição Django Unchained Emerging Artist (isso mesmo, competição do Django Livre), não sei bem como foi essa porcaria, mas deu nesse curta, e é lindo, e eu amei e estou apaixonado.. Altos trabalhos, e é dublado em português, gente, veja só..

Filme – Funny Games


(IMDb/Trailer)

Falando assim de tantas coisas misteriosas, incompletas, mal resolvidas, agoniantes, relacionadas a morte, adivinha qual é a temática do filme de hoje???? Se você disse que é um filme agoniante e relacionado à morte você já entendeu o quão previsível eu sou.

Funny Games (Violência Gratuita, em português) é um ótimo filme, que eu recomendo muito, e que vai fazer você alternar entre o “Ok, o que exatamente está acontecendo?”, o “VIRA A CÂMERA, VIRA A CÂMERA”, o “NÃO VIRA A CÂMERA”, o “ufa” e o “VAI SE FUDER MUITO, CARA!”.

Acho que essa é a melhor maneira de descrever, ouso dizer uma das mais precisas descrições de filme que eu já fiz, tô de parabéns mesmo.

Funny games é do austríaco Michael Haneke, diretor de Amor, que concorreu pro oscar ano passado, e conta a história de uma família (pai, mãe, filho). Eles estão tranquilos em sua casa à beira do lago, mas recebem uma visita de uma dupla de psicopatas que decide apostar com eles: se eles ficarem vivos por 12 horas eles ganham (o que é que eles ganham exatamente, não fica claro). Daí começa, eles são atormentados pelos tais psicopatas durante essas doze horas, e todas as câmeras e cortes do filme funcionam de um modo que não fica claro quem sofre mais, se é um dos três membros da família ou se é você. É sério, amigos, esse filme é a ultimate prova do líder, ganha quem desistir por último. As cenas são perfeitamente custuradas pra te deixar agoniado, tenso, com raiva.. Não dá pra revelar spoilers, até por que são só cinco pessoas na trama, se eu revelar alguma morte já foi 20% do elenco. Eu adianto que é um baita filme, muito bom.. mas se prepara pra morrer de ódio, por que você vai ficar agoniado, e você vai querer que acabe, e que dê certo, mas não vai.

Haneke fez duas versões pra tortura, uma alemã, em 1997, e essa versão, a americana, de 2007. Eu não sei se tô preparado pra ver a alemã agora, vou dar uma pausa até lá por que eu não sou masoquista a esse ponto e eu tô agoniado até agora.

Nos vemos em breve.

Anúncios

me contagia e até dispara o coração

Antes de tudo eu já aviso que esse texto vai descer a níveis baixos. A coisa vai ficar pesada amigo, e vai ser gráfica, então não diga que eu não avisei.

A vida, amigos, não está fácil. A vida não está fácil porque volta e meia eu recebo uma visita de uma amiga. Aquela amiga que eu amo e que só aparece pra me dar rodo, ela mesma que eu te disse: a herpes. Aquelas bolhinhas, sapinho, cobreira, essa merda.. pois é, eu tenho aquilo volta e meia, e hoje elas apareceram pra alegrar meu dia e me sabotar. Isso mesmo amigos, eu faço parte dos 90% da população contamidada pelo vírus da herpes bucal.

“Mas se 90% da população tem o vírus então eu também provavelmente tenho isso?”. Sim, meu querido, muito provavelmente, mas tem gente que nunca sofre com as demônias, por que nunca tem um surto, ou só tem um na vida. “AH MAS COMO QUE EU PEGUEI ISSO SE EU NÃO SOU DESSAS VAGABUNDA SUJA COMEDORA DE LIXO IGUAL VOCÊ”. Sabe aquele bebedouro coletivo do pré-primário? Aquele piscinão das férias? Aquela festinha de criança em que você tinha acabado de aprender a comprimentar com dois beijinhos na bochecha? Pois então, tenho uma péssima notícia pra você.

1235424086Ul9u5k
parabéns você tem um vírus preso no corpo pro resto da vida

Por que é que eu sofro com isso e vocês não só deus sabe. Algumas pessoas tem propensão, ou a imunidade meio baixa, daí ficam doentes, com febre ou algo parecido e voilá. Comigo é sempre assim, eu tô comendo ou dormindo mal, daí pego um resfriado, vira um dor de garganta, sobe um pouquinho a febre, eu me estresso com alguma de minhas inimigas tentando acabar com a minha vida e quando eu vejo tô com uma nota fiscal de 55 R$ na mão e um cartão fidelidade da farmácia (sem ele o remédio custa 75), isso mesmo queridinhos, 55 pau o remédio, viva com essa. Adendo: não tem cura.

E o pior de tudo é que você tem que cuidar da sua herpes como se fosse bicinho, por que quando essa porcaria aparece você passa a viver pra ela. É pomadinha a cada duas horas, remédio a cada 4, lavar a boca com sabonete, copinho separado, secar com papel higiênico, não sair no sol, não dormir de bruços, ferver a escova, trocar a fronha..


mas aqui estou eu vivendo essa vida dupla de super herói

E por que é que eu estou falando isso nesse blog que sempre foi tão limpinho e anti-séptico? Conscientização, meus caros.. Por que volta e meia quando essa procaria me aparece e eu falo pras pessoas que tô com herpes elas reagem assim:

tumblr_m77m8m2QVE1qm7bol
não obrigado de contagioso já basta meu sorriso

Não que eu julgue, sabe como é.. É um vírus contagioso no fim das contas. Mas essa merda é feia, e é feia pra gente! É a nossa cara que fica feia, colega, não a sua. E dói! Dói pra falar, dói pra bocejar, dói parada. E o remédio é 55 reais COM CARTÃO PANVEL (!!!!!!), então convenhamos que já tá ruim pra gente por si só, não precisa correr ou cutucar a pessoa com uma vara, seu insensível. Eu não vou esfregar minha boca na sua cara!

A não ser que você queira..

Não, eu não vou fazer isso nem que você queira, sua pessoinha suja e doente. Sai daqui!

PS: Sim, 90% significa que provavelmente a Angelina Jolie e a Scarlett Jonhanson também tem. Um dos meus planos é dar um jeito de fazer elas aparecerem em rede nacional com a cara toda estourada pra dar um twist nos padrões de beleza e dessa forma eu me tornarei modelo da o boticário.

5 discos pro Inverno

INVERNO

O inverno é uma bela duma mentira, pra começo de conversa. Aquela coisa de neve e árvores secas e tristes.. nunca vi, pode até existir no Brasil, mas no único dia histórico em que nevar na sua cidade você vai estar morrendo de calor em Salvador por causa de um encontro DE MODO QUE o inverno é uma mentira. Mas acontece que aqui, hoje, nós vamos acreditar nessa mentira, por que é muito difícil fazer uma lista de cinco discos pra três meses aleatórios depois da metade do ano em que muita coisa diferente acontece em diversos lugares do país e do mundo. O inverno é pelo menos mais gelado que o verão, e é melancólico e deprimente (se bem que eu tenho essa sensação de que todos os dias da minha vida são deprimentes, mas isso é por que minha vida é uma piada feita pros outros rirem, então tá tudo bem).

A lista abaixo é uma série de álbuns que vêm na minha cabeça quando eu penso nesses sentimentos e imagens relacionados ao Inverno, tentando equilibrar o triste e deprimente com o calmo e alegrinho. Foi muito difícil pensar em uma trilha sonora que se encaixasse nisso e de repente me vieram cinco, não pude pensar demais, preferi não arriscar então. Foi impossível pensar em algum nacional, ponto, nem mamãe me ajudou agora. 

Considerações feitas, vale lembrar que essa lista não é definitiva nem a melhor que eu consegui pensar, apesar de que todos os álbuns são muito bons e todos estão entre meus preferidos do ano / do artista / da vida. Não quis caprichar muito por que já tá atrasada e toda atropelada, e enfim..

TORRES.
Torres, 2013

Pra ficar em casa lidando com os fantasmas internos.

Vocês vão falar que eu não tô nem tentando e que eu tô sendo óbvio demais, mas eu juro que esse disco não tá aqui porque tem uma música que chama When Winter’s Over. O debut da Torres entra na lista porque é forte, é gelado, é como uma pá na cara; mas é uma pá boa, você sabe por que é que tá tomando uma pá na cara, e sabe que as vezes pás são jogadas na cara das pessoas, então o golpe nem parece tão forte assim. O álbum é sobre compreender o mundo e a si mesmo, sobre admitir perdas, erros e culpas, e principalmente, sobre achar conforto nos momentos mais difíceis, idéia explorada até na própria capa; um olhar calmo e ao mesmo tempo alarmado, um beijo anônimo que mais parece um sussurro. A cada música Torres constrói e acrescenta à atmosfera triste do disco, nem sempre encontrando a redenção que busca; e encerra lindamente com um último golpe na cara. “Você já chegou na metade da queda e pensou ‘Meu deus, eu nunca quis realmente pular’?”

heart

HEART.
Stars, 2003

Pra ficar em casa (com mais alguém) sorrindo e se apaixonando.

Stars é uma banda pro inverno, e não aceito que discordem de mim nesse ponto. É sério, as músicas deles tem essa coisa delicada e tranquila, as letras falam de neve e romance. Eles são pequenos anjinhos de porcelana tocando na sua cabeça quando você tá enrolado em cobertores e pensando no amor. Até quando eles falam de morte eles são delicados e cheios dos mimos (escuta Look Up, desse mesmo disco, pra entender). Heart é um dos melhores deles, de acordo com a crítica geral e comigo mesmo, é fofo, cândido, invernal.. um cd pra se escutar enquanto você abraça seu amor debaixo das cobertas (pontos bônus se estiver nevando).

BLACK SWAN.
Trilha Sonora, 2010

Pra descobrir o monstro que dorme em você.

Não só a trilha sonora, mas o filme Cisne Negro é perfeito pra essa lista. Pra começo de conversa, o balé O Lago dos Cisnes é Russo, então você já tem um baita cenário de inverno aí, caso não bastasse o do filme. A trama tem esse tom agoniante, é um filme que fala de obsessão, de loucura, de perfeição.. é forte, e não é nada otimista. Mas pra mim o mais impactante do filme, e que muitas pessoas parecem ignorar, é que Nina não quer só ser perfeita; ela quer ser melhor que os outros. Sua mãe, seu treinador, suas colegas, maltratam, humilham e passam por cima de Nina. Eles são pessoas ruins, e Nina descobre que, se ela quiser superar eles, ela vai ter que ser pior; e mais, ela tem sim capacidade de ser pior que todos eles, e muito. As vezes nós vemos o interior das pessoas, e elas são frias; as vezes nós vemos o nosso próprio interior, e ele é congelante.

LIFE IS FULL OF POSSIBILITIES.
Dntel, 2001

Pra acreditar que a vida é boa e cheia de possibilidades, apesar de tudo.

Até agora, quase todos os discos que eu coloquei aqui usam a mesma técnica, a de criar uma atmosfera em que o álbum se desenvolve e inserirem os ouvintes nessa atmosfera. Jimmy Tamborello (ou Dntel) dá um passo além em Life is Full of Possibilities, e desenvolve histórias que tão dentro dessa atmosfera. Essa história, mesmo não sendo clara, tem um papel muito importante, porque ela muda o tom da ambientação do álbum ao longo do desenvolvimento. No começo o clima é frio, triste, deprimente, industrial.. e não tem neve, por que é urbano, acima de tudo. “Quando você se cobrir com uma avenida, não espere nenhum calor. Toda ela é cimento frio.”. Mas a vida é cheia de possibilidades, e tudo pode acontecer, claro que nem todas as coisas que podem acontecer são boas, mas você pode aprender com as ruins, criar ensinamentos e memórias pra cultivar. Ao fim do álbum a atmosfera é completamente diferente daquela do início. Ainda é fria, industrial e urbana, mas também é otimista, renovada. Se forçar um pouquinho dá até pra sentir que aqueceu.

TURN ON THE BRIGHT LIGHTS.
Interpol, 2002

Pra não acreditar em nada, por que o mundo é podre.

Infelizmente, nem todos podemos ser otimistas, às vezes as desgraças e tristezas sobrepõe a nossa crença no mundo. Você não acredita mais nem nas pessoas que estão junto de você, por que pessoas te decepcionam, te abandonam; e as que não fazem isso vão ser tiradas de você a força, cedo ou tarde. Parece trágico em excesso, mas a verdade é que o sol não brilha igual pra todo mundo, e a vida é cheia de obstáculos (dois pelo menos). É nesse climinha super alto astral que Turn on the Bright Lights, obra prima do Interpol, se desenvolve. Soturno e sombrio do começo ao fim sem ser cansativo ou desinteressante, as músicas criam cenários e situações angustiantes, gélidos, além de personagens como Stella, Rolland, os anjos, ela, ele, o próprio narrador.. que são tristes, deprimidos, loucos. E é tudo executado com uma fluidez incrível, alternando entre momentos explosivos e calmos. Apesar de tudo isso, existe espaço para a esperança em Turn on the Bright Lights, mas a banda deixa bem claro, cabe a cada pessoa ligar as luzes brilhantes, e às vezes isso parece impossível.

Agora que eu esgotei todos os sinônimos de gelado do word eu te pergunto. Concorda? Discorda? Tem alguma sugestão (por favor, tenha)? Diga nos comentários, mande um email, ou eu sei lá. Não vou pedir desculpas de novo pelo atraso por que dessa vez eu vou reconquistar o coração de vocês com ações e não palavras. Se preparem pro carro de som com buquê de flores e serenata de madrugada com música do Daniel.

Bobeou, Dançou


adivinha quem tá chegando?


quem será que pode ser?


SOU EU! OBA!

Por que é que eu ainda tento se tudo que eu vou fazer no fim das contas é desapontar a vocês e a mim mesmo?

Por que isso é mais do que um blog e isso é mais do que um post. Isso é um lugar calmo e plácido, é uma promessa de vida melhor. Não é pelos 20 dias de atraso, é por uma vida justa que não me dê rasteira toda hora.

Eu acho que eu dei um jeito na minha vida agora, o que me dá uns 20 dias de postagens regulares, até que tudo bagunce de novo e eu abandone issaqui por mais alguns meses, mal posso esperar.

Só não esperem grandes coisas. Ou coisas.. não esperem coisas.