5 discos pra Primavera

PRIMAVERAEu não me lembro mais por que eu escolhi essa fonte.

A Primavera é um a estação muito bonita, toda trabalhada no floral e nos tons pastéis. Tem cor, tem amor, tem aquelas roupinhas meio estação.. toda a poesia do vestidinho fofo com jaqueta, e aparentemente esse ano a tiara de flor tá com tudo. Agora, o que é que isso significa pra gente? Porra nenhuma. Isso mesmo Clarice Falcão, sai voada que a lista de discos pra primavera não vem toda recheada de corações e salpicada de amor.

Já que chegamos ao final da série eu vou revelar que nenhuma das escolhas dos discos que eu listei aqui fez sentido. Uhum uhum, isso mesmo, falei mesmo. Não fez sentido por que não tinha que fazer, não tinha estudo aprofundado sobre como as notas e progressões de acordes relacionam-se com as de Vivaldi em cada uma das estações que ele compôs, eu fiz uma lista do itunes com o nome de cada estação, olhei a minha biblioteca e fui arrastando os álbuns pra lá, daí eu mostrava alguns para umas pessoas, e perguntava o que eles achavam, pedia sugestões.. Mas a coisa aqui não é coletar álbuns que tenham relação direta com as estações, a idéia sempre foi essa coisa mais sinestésica; ouvir e sentir. E não é bem sentir calor, frio ou cheiro de flores.. é sentir o ambiente, a coisa toda, as emoções e sentimentos que cada estação, ou mês do ano traz..

Aquela vontade de viver no começo do ano e a alegria que é pra mim rever os amigos em casa; a realidade pós começo de ano e férias, quando os problemas começam a acumular e tudo parece mais difícil e solitário; a agonia de uma estação gelada, morta e melancólica; e agora, na primavera, a sensação ao mesmo tempo boa e desesperadora, de que o ano encaminha pra mais um fim e mais um verão, e você ainda tem tanto pra resolver.. Tá sentindo essa sensação? Tá ouvindo esse Dezembro batendo na sua porta? Pois então, hoje aqui no timingperfeito eu, atrasadíssimo e mal amado que sou, vos trago os cinco discos pra Primavera.

HELLO AVALANCHE.
The Octopus Project, 2007

Pra ir completar a lista de metas do ano.

Agora que é primavera então eu vou focar nas coisas felizes e na felicidade ok? Por que essa coisa de melancolia e vnotade de morrer já deu, então vamos ignorar a chuva e o pólen e as tanajuras e as baratas e vamos ser filizes. Pois bem, The Octopus Project é uma banda bem filiz, eu já falei deles aqui em uma quarta feira qualquer. A banda mistura sintetizadores eletrônicos com instrumentos analógicos pra criar músicas divertidas e animadas, variando entre o sutil e o explosivo com muita naturalidade. Esse álbum em questão foca mais nas partes agitas do que nas calmas; o que não significa que as partes calmas não sejam boas, e que as agitadas não tenham lá suas sutilezas; o bom desse compilado de agitação eletrônica é que ele funciona perfeitamente como trilha sonora pra o jogo devideogame que é a sua vida. Daí tá chegando dezembro, e sua lista de metas pro ano tá incompleta… Falta o quê? Academia? Fazer tatuagem? Arranjar um emprego? Fone no ouvido, força no coração e vai.

RUÍDO ROSA.
Pato Fu, 2001

Pra viver em uma modernidade irônica e frenética.

A vida moderna é uma coisa louca. Mesmo com a globalização e o acesso à informação possibilitado pela internet, as pessoas ainda parecem incapazes de compreender conceitos simples; vá dizer viver em harmonia. Aos poucos nos tornamos fechados, egoístas, burros, (alguns até dizem que nos tornamos esquizofrênicos); mas a Internet nos dizem que nós estamos conectados uns com os outros e a TV diz que nós sabemos tudo que nós temos que saber. O problema é que, por mais que a internet negue que na esquina da sua rua tem dois mendigos brigando por um pedaço de frango e que a TV diga que a única coisa que falta na sua vida é tal produto; você ainda é um ser humano com sentimentos e não é o único no mundo. A modernidade é louca e é cão, mas apesar de tudo é diversa, e tem lá seus momentos de lucidez, podendo até (pasmem) ser bela. Como isso se relaciona com a primavera eu não sei explicar ao certo, apenas ~sinta~… tá sentindo? Massa, vam pa próxima.

THERE’S LOVE IN YOU.
Four Tet, 2010

Pra quem tá amargo e maldito.

Tirando as pessoas que vivem em um comercial de margarina, todo mundo sofre. Todo mundo já apanhou dessa vida, uns mais, outros menos..  Tem gente que consegue bater a poeira e continuar sorrindo no salto alto, tem gente que fica amargurada e descrente da vida. Mas a vida é mais, e Four Tet taí pra lembrar a gente que existe amor em você. Não tô falando de amor romântico especificamente, There’s Love in You é bom pra renovar a vida, a crença nas pessoas e nos seus sonhos, na música.. Para um dia, desliga tudo, põe uma toalha no sol, deita e fique ouvindo os sons eletrônicos delicados e otimistas do álbum. Uma ótima trilha sonora pra esquecer dos problemas do mundo.

RAY GUNS ARE NOT JUST THE FUTURE.
The Bird and The Bee, 2009

Pra um amorzinho de primavera, vá. (cotas pro amor nos posts)

“Meu amor, me deixe ir de novo, pro topo do escorregador”, diz Inara George, ao abrir o cd, e continua “Ei, garoto, me leve pra sair hoje. Eu não tenho medo de todas as razões pelas quais nós não deveríamos tentar” (me chama, TVZ). A primeira  música do álbum já fala de se entregar, se entregar de novo, viver a sensação de queda livre de novo e de novo. Os temas continuam, falam da chama que você ainda guarda por aquele que foi embora de repente, de percorrer distâncias por alguém, estar lá nos momentos de fragilidade, ser tomado de supetão. Por vezes o protagonista comanda, como em Witch, e em algumas músicas os temas variam, falam da modernidade conturbada, do futuro.. Mas de modo geral, Ray Guns é um álbum sobre ceder, esquecer tudo, se tornar ingênuo, incocente, e se render a uma paixão; sem que isso te torne mais fraco ou menos dono de si. Eu sei que eu me tornei diabético só de escrever isso, mas quem nunca, né?

Hercules & Love Affair HERCULES AND LOVE AFFAIR.
Hercules and Love Affair, 2008

Pra curtir a bagunça.

Entre finais de ano e amores, correria e olhares pimpões, euforia e auto descobrimento.. A primavera é uma bagunça. Bagunças podem fazem a gente surtar, gritar com as pessoas, dar chinelada na boca de quem enche o saco e ter um colapso nervoso caído no chão (ex: minha vida); mas bagunças também podem ser um ambiente mais descontraído, plorífero e aconchegante, (nem que seja pra bactérias e insetos ex: meu quarto), é tudo uma questão de dosar direitinho pra não virar tudo uma zona. Hercules and Love Affair é uma banda que sabe dosar, sejam as referências, os sintetizadores, os momentos instrumentais.. Passeando entre momentos mais calmos e mais agitados, a banda cria um cenário alegre e divertido, sem ser brega ou forçado; é colorido, tem camadas e mais camadas, é cheio de estilo.. seja enquanto você descansa ou enquanto dança, Hercules and Love Affair faz a bagunça primaveril ficar bem menos caótica do que parece.

Só pra ficar claro, eu estou atrasadíssimo sim, já é quase verão, mas antes tarde do que mais tarde. E eu juro que não é por falta de querer gente, mas tô numa correrira que tô precisando botar despertador pra me mandar ir no banheiro. Eu vejo vocês em breve.

Anúncios