Hoje eu vou mandar pro paredão o Facebook, por motivos de afinidade mesmo nada contra

Então, era mais ou menos março quando eu falei pros meus amigos que eu ia deletar o facebook por que tava puto com tudo e não aguentava mais e tava achando tudo um lixo. Daí eu ia só escrever um textinho aqui pro blog pra explicar pros meus amigos o porquê e tal e assim que tivesse isso feito eu matava o facebook de vez e acabou. Mas eu me enrolei pra começar a escrever, e nesse meio tempo eu perdi meu celular e fiquei sem forma de comunicação com o resto da vida do planeta que não fosse o facebook, daí eu não deletei. Mas como eu sou cidadão honesto da família brasileira, pago impostos etc, eu trabalhei e comprei outro celular..


quem concordas compartilhas quem discorda curtes quer me beija comenta

E agora, finalmente, eu vou deletar o facebook.

“AAAAAAAH MAS SE VOCÊ QUISESSE DELETAR JÁ TINHA DELETADO E NÃO FICAVA NESSA FRESCURA DE FICAR FAZENDO POST JÁ TINHA DELETADO???” Talvez? Mas não é bem assim, veja só. Querer QUERER mesmo eu quis uma vez ou outra. Era quando eu ficava tão puto com todas as pessoas e tanta abobrinha e tudo que falava pra mim mesmo EU VOU É DELETAR ESSA MERDA E EU NÃO QUERO NEM SABEEEER. Aí a gente brigava jogava prato um no outro, era um horror.. Mas fora os momentos de ódio, o resto do processo de decidir deletar o facebook foi uma conversa séria e calma e muito controlada sobre como a coisa já não estava funcionando mais, e se não tá funcionando mais, me desculpa meu bem, foi bom o que passamos juntos, relacionamentos são assim, vamo cada um pra sua casa, rasgar as fotos. E com o facebook foi assim, ou morria ele, ou morria eu.

E pra não gerar confusão, eu quis fazer um texto, por que assim se alguém vier me perguntar por que eu fiz isso eu vou apenas dizer LEIA MEU BLOG e vou colocar meu óculos de sol, acender um cigarro e sair.. (Depois eu vou voltar e apagar o cigarro, por que eu não fumo, e eu não vou ter outro lugar pra ir (mas eu vou ficar de óculos).)


não mirrita, infeliz

Sem mais delongas, e em triologia (como tudo que é escrito hoje em dia), a história do fim do meu relacionamento com o Facebook.

CAPÍTULO 1 – O ÓDIO

Vamos começar pelo motivo de tudo; há um tempo eu venho me irritando com o modo com que as pessoas vêm tratando nossas representações virtuais. Veja bem, o meu facebook, assim como qualquer rede social, não sou eu e não me representa por completo, ele é uma personalidade, baseado na minha pessoa e nos meus comportamentos e pensamentos, mas pensada e toooooda trabalhada pra ter a ver com as pessoas que interagem comigo nessa rede social, e com o conteúdo que é produzido lá. Em resumo, eu não escrevo documentos como eu escrevo no blog, eu não vivo em 140 caracteres do twitter e, principalmente, eu não sou meu perfil no facebook. De todas as redes sociais, o facebook é o que as pessoas mais levam a sério; se eu não curto no facebook eu não gosto, se eu curto eu amo, se eu não sou amigo da pessoa eu odeio ela, se eu compartilho alguma coisa aquela é minha opinião definitiva, e se eu não compartilho é por que eu não me importo com os animais em extinção no tibete.

A coisa piora quando as pessoas acham que o seu perfil no Facebook responde por você na vida real 100% do tempo, e começam a te cobrar por isso. A pessoa não pode ser ativista e jogar candy crush, não pode gostar de música eletrônica e fazer trilha, não pode ver aquilo, não pode ir em tal evento, seu comportamento online deve ser 100% coerente com sua vida social e profissional. De repente toda a sua atuação na vida real fica comprometida pelo que você faz online, ao ponto de empresas procurarem o perfil da pessoa no Facebook antes de contratá-la.. Tipo.. OI? De repente o seu trabalho e sua vida pessoal viraram uma coisa só, e a sua selfie virando um shot de tequila importa tanto quanto seu rendimento no trabalho. Não importa e não deveria, sua vida pessoal e suas opiniões são uma coisa a parte, e isso não determina nada da sua atuação em meio nenhum.

Chega ao ponto da pessoa te marcar e te mandar mensagem pra tratar de um assunto profissional, oficial, ou [[URGENTE]] em vez de te mandar um email ou te ligar.. e ainda fica brava por que você não viu a mensagem dela que era URGENTEEEEEEE, e eu não quero ter que lidar com isso. Eu não quero ter reuniões profissionais no Facebook, eu não quero resolver situações curriculares via DM, eu não quero tomar decisões nos comentários de uma foto, eu não quero resolver assuntos sérios em um espaço onde meu nome pode ser João Gabriel Guarani Kaiowa e minha imagem pode ser a foto um gato sorrindo tirada do google com a legenda ~Uma Ótima Segunda Feira~.

demoniodocomunismoou isso

CAPÍTULO 2 – O AMÔR

Porém também nem tudo são mágoas, e ter um perfil no Facebook já me ajudou e foi até necessário em diversos momentos. Portanto, pra fazer jus a isso, aqui vai uma lista de assuntos e momentos pra qual o Facebook tem sim sua utilidade:

  • O Facebook é ótimo pra encontrar amigos antigos que você achou que nunca mais ia ver e adicionar esse amigos (pra então bloquear eles um mês depois por que descobriu que eles são pessoas horríveis e você tá muito melhor sem eles).
  • Também é muito bom pra encontrar o perfil daquela pessoa que você tá afim & ver todas as fotos, informações, curtidas & descobrir milhares de coisas sobre a pessoa (e depois falar ao vivo com a pessoa & deixar escapar que sabe alguma coisa dela que você teoricamente não deveria saber, & ficar com cara de paisagem por que a pessoa acabou de perceber que você andou investigando a vida dela.)
  • Ingressos VIP
  • Eventos
  • PÁGINAS! Adoro páginas. As páginas são maravilhosas, são um ótimo recurso, funcionam e são uma boa maneira de te manter atualizado sobre os assuntos, sites, empresas e artistas que você mais gosta.
  • Falando nisso, o Timing Perfeito agora tem página no Facebook!
  • Sim eu sei que isso é muito irônico, mas se eu estou deletando o meu perfil eu preciso de um meio pra avisar as pessoas das postagens, né
  • Promoções que te dão uma avalanche de prêmios socorro pêssega
  • Ingressos VIP!?!?!?!?
  • É tão fácil pegar fotos com amigos e páginas e etc..
  • Passatempo
  • Quando você posta alguma coisa e ganha vários likes, daí alguém compartilha a mesma coisa e ganha metade dos seus likes.
  • INGRESSOS VIPEEEEEEEEE

Tudo isso me manteve fiel ao facebook por um bom tempo, e nessas intermitências de deleto/não deleto, esses foram os motivos que me fizeram QUASE não deletar minha conta, afinal de contas INGRESSOS VIP CARA!!!! Esses motivos eram bons o suficiente pra me fazer esquecer que eu odiava o Facebook, mas eis que alguma tragédia acontecia, e eu me lembrava de todos os problemas causados pelo facebook, inclusive pelos ingressos VIP. De repente eu me vi sem saber o que fazer; foi quando eu percebi que era hora de colocar na balança.

 entendeu? por que o gato é gordíssimo colocar na balança: como eu vejo como minha familia vê como lurdes doceira vê como realmente és

CAPÍTULO 3 – LÁGRIMAS E CHUVA

Daí a balança disse: “TÁ MAGRO DEMAIS VAI MALHAR DELETA O FACEBOOK A PRESSÃO TÁ HORROROSA”

Não, agora sério: por mais que o Facebook seja útil e interessante, eu percebi que eu estava aos poucos abandonando tudo que tornava ele útil, pra poder fugir das coisas que eu mais odiava. Eu já não ficava mais online no chat há muito tempo, que era pra não virem falar comigo de assuntos sérios, eu tava parando de seguir pessoas e só curtia páginas que fossem extremamente relevantes. Eu tirei todo mínimo de informação pessoal que eu consegui do meu perfil, deletei praticamente todas as minhas fotos e me desmarquei da maioria.

O pior de tudo foi perceber que mesmo assim eu ainda perdia um bom tempo fazendo nada lá! Eu não tinha jogos, e não ficava fazendo nada de importante, eu só abria e ficava rodando na timeline, balançando a cabeça e rindo naquele estilo risada de internet em que você não emite gargalhadas, você só solta ar do nariz e sorri de canto de boca. E eu ainda perco tempo precioso fazendo isso, e é muito tempo! Pô, pra escrever esse post eu demorei duas semanas, e com certeza muitas dessas horas foram perdidas no Facebook vendo as mesmas imagens 70 vezes. Lógico, eu ainda pretendo usar o facebook, com a página do blog agora, no futuro talvez uma página profisisonal (se é que ainda vai existir quando eu me formar RISOS?), mas perfil pessoal não vai rolar. Eu não consigo parar de sentir que eu poderia estar aproveitando melhor esse tempo, que eu poderia estar escrevendo, que eu poderia estar explorando novos hobbies, tricotando, jogando futebol.. sei lá, tem tanta coisa nessa vida.

A gente tem que saber o momento de cortar as ligações, pra não acabar mal um com o outro, sem vontade, sem respeito. E não é disso que se trata a vida? De encontros e desencontros? Fins e recomeços? Não é fácil saber exatamente quando é o momento certo. Saber assumir esse fim também não é. Mas temos que fazer do fim uma lição, do limão uma limonada, por que às vezes o azedo da vida é necessário. E como eu disse antes, ou iria ele, ou iria eu. E hoje quem vai é você, Facebook.

Vem pra cá, Facebook!

bonita a comoção agora SAIAM DA MINHA CASA

Anúncios