Todos os meus sonhos são feitos de pedra. (Parte 2)

Você não vê?

As flores são fracas, mas as raízes são fortes
E se estendem terra adentro como se quisessem tocar o abismo

Você não vê?

Não há mais nada aqui, e não há mais ninguém
Tudo que restou são blocos de concreto e vidro partido, lotes abandonados, rejeito industrial.
Em meio aos restos ficou a estrada.
Todos os lugares estão vazios, mas se você estiver com pressa ainda pode chegar lá, basta pegar a expressa.
Monóxido de carbono, gasolina, ácido de bateria.
Tudo que você tocou virou pedra e tudo que eu toquei virou pó.

Você não vê?

A carne é fraca, mas os dentes são fortes
E mordem através dos anos, quebram os ossos e perfuram a memória.
Não há mais vida aqui, mas você não vai embora, e continua caminhando por paisagens desoladas, muros de cimento, lâmpadas de tungstênio.
E todo dia você diz que vai ser diferente
Mas toda noite termina igual
E você evita olhar para o lado, para o abismo que te acompanha
Como um alcoólatra que evita o primeiro gole
Ou como uma criança que dorme com as luzes ligadas

Você não vê?

Por baixo de toda essa mentira ainda existe algo vivo
Algo que pulsa e ferve e chama seu nome.
Você se esqueceu quem você é?
Você se esqueceu por que está aqui?
Essas paisagens desoladas nos confundem e nos enganam, como se não houvesse nada além disso
Mas esses prédios estão vazios não faz muito tempo
E você chegou aqui não faz muito tempo.
E eu venho ateando fogo nas casas para lhe mostrar que ainda estou vivo.

Você não vê?

Ainda tem um pouco de gasolina no seu carro.
Venha me encontrar.
Eu estou esperando por você.


Sigo com meus experimentos em narrativa, e tô achando mais abstrato do que eu esperava; mas tô tentando não pensar muito e me deixar sentir, sem ter que me ater a trama, cronologia e só escrever esses capítulos que me vêm à mente, à medida que eles vêm..

Fui inspirado pela letra da música Slow Hands do Interpol, e pela estrutura desses poemas em prosa intermináveis, como o I Have a Very Special Plan for This World, do Thomas Ligotti ou o Howl, do Allen Ginsberg. Se alguém souber de alguma coisa assim de um artista brasileiro me manda por favor!!!! Até a próxima.

Anúncios

Todos os meus sonhos são feitos de pó. (Parte 1)

Tem alguma coisa acontecendo. Sei que faz pouco sentido falar essa frase sem contextualizar, por que com certeza tem alguma coisa acontecendo. Em qualquer lugar do mundo a qualquer momento têm uma infinidade de coisas acontecendo.

Um pássaro que voa, uma pessoa que tem um plano, um texto que é lido; essas coisas acontecem o tempo todo. Existem também coisas mais incomuns, selecionadas, que não acontecem com tanta frequência. Um pássaro que pousa no seu ombro, uma pessoa que ganha na loteria, um texto que não deveria ser lido por ninguém. Mas também existem aquelas coisas realmente únicas, que são maiores e mais complexas e tem braços por toda a parte.

Coisas que não acontecem como resultado de uma ação ou um agente, mas de ações e agentes múltiplos, que levam um ao outro e que se ramificam em novas ações e novos agentes, como uma rede subterrânea de raízes. Coisas que sugam e absorvem aqueles que passam muito perto.

Coisas que acontecem a passos muito muito lentos. Como um vazamento oculto que gota a gota contamina o rio. Como o surgimento de uma nova espécie, fruto de inúmeras e microscópicas mutações. Como a pressão do solo criando cristais.

Mas não é sobre as coisas que eu estou falando. É sobre o acontecer.

É sobre sentir o movimento microscópico, sobre a mutação. É sobre ouvir as placas tectônicas se arrastando, uma contra a outra. É sobre ver a cidade sendo contaminada a cada gole de água.

Tem alguma coisa acontecendo. Eu não sei o quê, mas eu sei que está.

Ontem à noite, quando eu finalmente estacionei o carro e desliguei o motor, eu ouvi uma risada. Foi curta e abafada, quase rápida demais pra ser ouvida, mas eu ouvi, por que vinha de dentro da minha cabeça. Eu ouvi por trás dos meus olhos, por trás das fibras e dos músculos. Era a uma risada orgulhosa, ou melhor, satisfeita. Como a de alguém que via tudo sair conforme o planejado. E depois, o silêncio.


Faz um tempo que eu tô me propondo a encontrar novas maneiras de escrever e contar histórias; uma maneira que mescle poesia e narrativa com as crônicas/dissertativas que eu já tenho facilidade em fazer. Esse texto é uma primeira tentativa disso. Fui inspirado pela música Silent From Above, pelo episódio Dana de Welcome to Night Vale, e pelo livro A cor que caiu do espaço, de H.P. Lovecraft.

Se você leu e quiser conversar, dar feedback ou viajar nas ideias, comenta!