Com vocês, Quarta Feira.

Quartas feiras sempre foram um problema pra mim, e depois que eu inventei de fazer esse blog só piorou, por que daí eu tinha que me preocupar em fazer as porcarias dos posts semanais. Mas agora as coisas vão mudar, eu vou fazer os posts na quinta feira. Não, brincadeira, eu tô atrasado mesmo; mas uma coisa que vai mudar é que eu não vou me forçar a fazer isso toda quarta. Se eu tiver material pra isso bom, se não paciência, faço quando puder, não devo nada a ninguém.

Então, pra começar o ano vamos focar no começo do ano. Desde que esse 2014 começou eu honestamente não posso dizer que estou passando pelo momento mais feliz da minha vida E É ASSIM QUE EU COMEÇO O ANO, SRAS E SRS, e eu estava animado pra esse ano, mas força que melhora. Enfim, eu me dei com uma pá de coisas que me deixam felizes e que eu fico com vontade de ver de novo e de novo, por que sim. A primeira delas é uma promessa, no caso de um álbum, por que desde que Metronomy lançou I’m Aquarius eu tô ouvindo e vendo esse lindo clipe e esperando pelo cd.


me leve pras alturas, banda maravilhosa

Metronomy é uma das minhas bandas favoritas e eles lançaram três álbuns maravilhosos em uma patada, um deles é uma das coisas mais inspiradoras que eu conheço, o Nights Out, recomendo 10/10. Ainda nessa vibe eletrônica/psicodélica, um site que eu não me canso de visitar é o cachemonet.


sutil

Cachemonet é um site gerador de arte aleatória, baseada em imagens curadas do tumblr, com uma música ótima de fundo (se chama Windowdipper, e essa música me viciou dum tanto). Parece bobo, e provavelmente é, mas tem 50% de chance de te viciar também, então eu tomaria cuidado.

Coisa que acabou de me deixar feliz também foi ler esse texto aqui, que nessa época tá mais necessário que tudo. se chama Pelo fim da patrulha do gosto alheio, e pede o fim da patrulha do gosto alheio. Não dou spoiler, leiam.


chupada do texto, auto explicativo

Agora a coisa mais maravilhosa foi esse vídeo. Se vocês quiserem ouvir a um apelo meu ouça este: veja. This Actually Happens A Lot do animador Tom Law, que inclusive tem uma pá de animações maravilhosas, mas essa, gente, fico sorrindo bobo..


sutil (de vdd)

Outra e última coisa a me deixar sorrindo bobo é o primeiro e único e homônimo cd do Suburban Lawns. Conheci no finalzinho do ano passado, no blog do Séamus Gallagher, aquele quadrinista que eu falei aqui. É divertido, rápido de ouvir, às vezes é mais explosivo, com uma leve gritaria, mas no geral é um tipo de post-punk animadinho (não faz muito sentido, tô ligado). Janitor, a música mais conhecida deles, dá até pra ouvir com a mãe que ela vai achar divertida, nem vai pereber que o filho tá escutando música obscura dos anos 80 e sendo uma decepção pra família..


pra ouvir Janitor clica na imagem, pra baixar procura no google que ninguém aqui é teu empregado

E é cantando “I’m a Janitor. Oh my genitals!” que eu encerro essa encomenda atrasada. Espero que curtam o novo formato, acho que vai me facilitar escrever essas coisas.. Digam o que acharam, se quiserem, se não quiserem eu não tô nem aí.

Anúncios

Com vocês, Quarta Feira.

Eu disse que eu voltaria, vadias.

Ilustração – Sam Ballardini

Sam Ballardini faz ilustrações e coloca no seu tumblr (por que seu site ainda está vazio, coitado), às vezes ele faz gifs como essa de cima, o que por si só já é mais empenho do que eu imagino que seja possível. A arte dele tem esse quê de algo que faltou ser explicado, ser completo, sei lá.. se você olhar muito tempo vai começar a tentar virar a cara pra ver os ângulos ocultos e ver coisas e vai ficar louco e se matar com um removedor de clipes. Recomendo 10/10.

Fotografia – Thomas Prior

E tem uma coisa desconcertante também na fotografia do Thomas Prior, principalmente nesse projeto que ilustra o post, chamado Tultepec. São todas fotos tirada em uma cidade do México (chamada Tultepec), no dia da “Quema de Toros”, data cuja qual não sei muito sobre, nem pretendo saber muito, que é pra não estragar a graça da coisa. As imagens, principalmente nesse clima de manifestações recente, parecem tanto quanto cenas de guerrilha quanto de comemoração, em um primeiro olhar um grupo fugindo de uma bomba, em outro são fogos de artifício.

Fotografia – Cope & Arnold

A fotografia de Nicholas Alan Cope e Dustin Edward Arnold também tem essa vibe de uma coisa incompleta, uma ação, cenário, personagem ou situação que parece fazer parte de uma coisa maior, que você não sabe o que é.. Mesmo sendo um monte de tinta (será?) parece muito dramático e pesado..

Vídeo – Malaria

Malária é um curta que combina Origami, Kirigami, TIme Lapse, Ilustração, Quadrinhos e Faroeste, foi um projeto criado para a competição Django Unchained Emerging Artist (isso mesmo, competição do Django Livre), não sei bem como foi essa porcaria, mas deu nesse curta, e é lindo, e eu amei e estou apaixonado.. Altos trabalhos, e é dublado em português, gente, veja só..

Filme – Funny Games


(IMDb/Trailer)

Falando assim de tantas coisas misteriosas, incompletas, mal resolvidas, agoniantes, relacionadas a morte, adivinha qual é a temática do filme de hoje???? Se você disse que é um filme agoniante e relacionado à morte você já entendeu o quão previsível eu sou.

Funny Games (Violência Gratuita, em português) é um ótimo filme, que eu recomendo muito, e que vai fazer você alternar entre o “Ok, o que exatamente está acontecendo?”, o “VIRA A CÂMERA, VIRA A CÂMERA”, o “NÃO VIRA A CÂMERA”, o “ufa” e o “VAI SE FUDER MUITO, CARA!”.

Acho que essa é a melhor maneira de descrever, ouso dizer uma das mais precisas descrições de filme que eu já fiz, tô de parabéns mesmo.

Funny games é do austríaco Michael Haneke, diretor de Amor, que concorreu pro oscar ano passado, e conta a história de uma família (pai, mãe, filho). Eles estão tranquilos em sua casa à beira do lago, mas recebem uma visita de uma dupla de psicopatas que decide apostar com eles: se eles ficarem vivos por 12 horas eles ganham (o que é que eles ganham exatamente, não fica claro). Daí começa, eles são atormentados pelos tais psicopatas durante essas doze horas, e todas as câmeras e cortes do filme funcionam de um modo que não fica claro quem sofre mais, se é um dos três membros da família ou se é você. É sério, amigos, esse filme é a ultimate prova do líder, ganha quem desistir por último. As cenas são perfeitamente custuradas pra te deixar agoniado, tenso, com raiva.. Não dá pra revelar spoilers, até por que são só cinco pessoas na trama, se eu revelar alguma morte já foi 20% do elenco. Eu adianto que é um baita filme, muito bom.. mas se prepara pra morrer de ódio, por que você vai ficar agoniado, e você vai querer que acabe, e que dê certo, mas não vai.

Haneke fez duas versões pra tortura, uma alemã, em 1997, e essa versão, a americana, de 2007. Eu não sei se tô preparado pra ver a alemã agora, vou dar uma pausa até lá por que eu não sou masoquista a esse ponto e eu tô agoniado até agora.

Nos vemos em breve.

Com vocês, Quarta Feira.

Eu tenho uma boa e uma má notícia. A boa é que a cirurgia foi um sucesso, a má é que eu sou solteiro e frustrado.

Bom dia pessoal, vamos nós à nossa terceira quarta feira do ano, segunda do blog e primeira feita direito. Ó meu filho, chegou a hora de termos uma conversa sobre sexo, eu comprei pra você essa enciclopédia ilustrada em três volumes que vem com um VHS, vai pro seu quarto estudar e só volta quando decorar todas as secções da vagina.

Livro – Paying For It

Paying for it (Pagando por sexo no Brasil), é um quadrinho do artista canadense Chester Brown, e conta a história auto biográfica de quando sua namorada começou a namorar outro cara e levou esse cara pra morar na casa deles. Depois disso ele desiste de vez de namoro e amor convencional e começa a pagar por sexo (pelo método convencional que todo mundo conhece, prostitutas). De acordo com ele amor é pra seres humanos vazios e nossa única necessidade é o sexo. Tá bom então. Não consegui ler ele inteiro ainda, mas o quadrinho é bem criticado e foi eleito um dos 1001 quadrinho pra se ler antes de morrer. Sem links aqui mas se você procurar por “paying for it 2011” no torretz.eu tem um arquivo em cbz.

Ah, e também tá à venda pra ser comprado com dinheiro.

Clipe – Sebastien Tellier – Look

Aqueles que já conhecem Sebastien Tellier estão provavelmente pensando “AH MEU FILHO ISSO NÃO É SEXO PLMDDS KD COCHON VILLE” pra os quais eu digo: estou abordando o assunto de forma sutil (e por motivos de preto e branco). Fica a deixa também pra chegar o portifólio da dupla Mrzyk & Moriceau, que dirigiu o vídeo e tem umas ilustrações do tema geniais, e o vídeo de Cochon Ville, outra música do Sebastien Tellier (mas esteja alertado que ele dispara uma arara do pinto e isso não é nem de longe a coisa mais estranha do vídeo).

Fotografia – Allan Teger’s Bodyscapes

Não tem muito que eu queira falar sobre as fotografias do Allan Teger, além de que ele usa o corpo nu feminino como elemento pras suas paisagens criadas e que ele é um pouco otário. Digo isso por que o site dele é todo mal feito e não tem nenhuma foto dos trabalhos dele em qualidade decente, só pra comprar, então se quiserem conhecer um pouco mais (e o pior é que vale à pena por que são realmente muito bons) você pode jogar no google ou dar uma olhada nesse link desse blog que reuniu as melhores.

Vídeo – Hysterical Literature

Hysterical Literature é um projeto independente e ambicioso do fotógrafo Clayton Cubitt. Alguns dizem que é melhor não saber o que está acontecendo no vídeo antes de ver, mas eu vou deixar que vocês decidam. No blog da atriz Stoya, que protagoniza esse primeiro vídeo tem um post explicando tudo, então você pode ler lá. Mas de modo geral funciona de uma maneira muito simples: -SPOILErs- uma atriz se senta numa cadeira, por cima da mesa ela lê um trecho de um livro erótico, por baixo da mesa uma pessoa em posse de um vibrador a masturba até atingir orgasmo. O resultado é uma coisa linda de se ver 10/10 não consegui parar de assistir.

Filme – De Olhos Bem Fechados


(Trailer / Imdb)

De olhos bem fechados, último filme do diretor Stanley Kubrick, foi indicado ao globo de ouro e é protagonizado por Tom Cruise e Nicole Kidman, e se isso não é motivo suficiente pra você assistir o flme saia já da minha casa. A temática principal é sexo, sob os olhos de duas pessoas casada e com uma filha, mas como tudo que se espera do Kubrick é repleto de simbologia e pontas soltas que só ajudam a tornar o filme mais interessante. Vai assistir, tenho preguiça de ficar enchendo linguiça pra convencer vocês a ver as porcarias que eu coloco aqui, suas puta.

Sugestões, críticas ou adendos fique à vontade pra falar. “ACHEI LEVE QUERIA PEITINHO BUNDINHA E SURRA DE PIROCA” tá meu filho joga “pornografia de grátis” no google que você descobre um mundo de possibilidades, por que isso é o que tem pra hoje bjos nas zonas erógenas fui

Com vocês, Quarta Feira.

Gostaria de começar esse post com uma denúncia de MENTIRAS: Na verdade eu não estou aqui, esse post foi feito na segunda feira 6 e eu agendei ele pra ser publicado agora, a essa hora eu provavelmente estou com meu computador empacotado por motivos de estou me mudando. UOU. Pra evitar problemas já agendei esse post e o da quarta que vem, até porque não sei quando eu vou resolver questões de internet em minha nova casa. Ficamos no aguardo.

Ilustração – Gaston Viñas

Gaston Vinas

Conheci o Gaston Viñas por uma série de clipes não oficiais que ele fez pra umas música do Radiohead, tá que ele me pegou pelo meu ponto fraco, mas são incríveis.. Um dos poucos artistas que eu tive a paciência de conferir o site inteirinho e, apesar de algumas sacadas meio manjadas e óbvias, valeu muito à pena.

Vídeo – Laundry Day

Não tenho muito que falar sobre esse vídeo.. Adorei o estilo meio inacabado, os traços são ótimos, mas a história é a coisa mais genial de todas.. Simples e ótima.

Ilustração – Kyle Fewell

kyle fewell

Eu não sei qual é a desse cara, o que é que ele faz na minha cabeça, mas é um dos poucos do grupinho de artistas que são fodas e eu não quero esfaquear. É sério, sempre tem aquela pessoa que é perfeita, melhor que você em tudo (e às vezes muito mais nova que você) que dá vontade de matar; mas esse cara não. Sei não, mas a arte dele me acalma muito, as cores, os traços.. é tudo tão suave, tão verão.

Vídeo – Flatten

Lindo, lindamente executado, porém como em todos os vídeos envolvendo comida sendo assassinada, dá uma tristezinha..

Filme – Beginners / Toda Forma de Amor

Beginners / Toda Forma de Amor
(Trailer / IMDB)

Falando em tristezinha.. Após assistir mais ou menos umas 7 vezes eu posso dizer com certeza que esse é um dos meus filmes preferidos (pra poder contrapor a sugestão super-segura da semana passada). Eu não costumo falar que esse é um dos meus filmes preferidos por aí pra não me acharem brega, igual 500 days of summer, mas assim como 500days esse filme me conquista por ser incrivelmente divertido, bonito, leve e nem um pouco brega, mesmo tratando de um assunto super batido.

Eu não posso contar nada da história pra não estragar nada, mas reforço que o filme é ótimo, principalmente a forma com que o roteiro e os personagens são tratados; em nenhum momento as coisas são entregues, de modo que as opiniões que ficam no final são de responsabilidade sua. O que eu tô tentando dizer (e falhando miseravelmente) é que esse é um filme muito sincero, despretensioso, as cenas não são trabalhadas pra te fazer torcer pra um personagem ou pro outro, nem pra te deixar feliz, apreensivo.. O pôster do já diz, This is what love feels like, e de fato; ao final do filme é como se tivessem te injetado uma ‘dose de amor’, por mais brega que pareça, daí pra frente é com você.

Com vocês, Quarta Feira.

Arte Digital – Mandeloculars

Uma coleção de imagens fractais criadas por um tal Chaotic.Atmospheres (não consegui descobrir o nome do tal) que parecem fotografias macro de estruturas orgânicas super-complexas. Uau, falei bonito agora.

Vídeo – The Scream

Vìdeo criado por Sebastian Cosor, uma animação do quadro “O grito” de Edvard Munch (aquela, mais cara do mundo, que foi leiloada por 120 milhões de dólares), assistam porque é genial. Eu mesmo já imprimi todos os frames e emoldurei.

Ilustração – Eleanor Davis

Eleanor davis

O que eu mais gostei na Eleanor Davis é que as ilustrações dela são desse estilo doodle/minúsculas/minimalistas/gracinhas mas são super bem elaboradas, os quadrinhos lembram os do ryot, cheios de críticas e sadismo. E a url do site.

Curta – Portal: No Escape

Se me permitem citar Luiza Marilac, POOOOOOOOOOOORRAAAAAM. Sério, que coisa linda; se você já jogou portal é obrigado a assistir, se não jogou então é obrigado a assistir e jogar (não necessariamente nessa ordem).

Com vocês, Quarta Feira.

Estamos aqui de novo, hoje não vou escrever muita coisa não porque
a) estou com uma imensa pregui de sequer completar as pala
b) vocês leem a descrição, falam “ah” e vão embora QUE EU SEI, agora vão ter que ver
c) os links de hoje estão focados no visual, na estética da coisa. ISSO MESMO, VAI TER QUE ASSISTIR OS VÍDEOS, NEM VEM CLICAR NO PLAY E IR JOGAR ANGRY BIRDS.

falei e disse; tô poderosa

Vídeo: Chocolate Bunny

 Na verdade eu consigo ver uma profunda crítica social no vídeo, sério. Também conhecido como “How to kill a Chocolate Bunny”

Fotografia/Culinária: Griottes

Comida gostosa, bonita de se ver, colorida e cheia de frescura; ex: receitas separadas por cor (e o site é francês, ou seja)

Música: YELLE – Comme Un Enfant

Mais coisas em francês, tô sentido a finesse escorrendo no blog.

Design: Mika Tsutai

Ok, esse requer certa explicação: isso aí são pratos estampados com manga criados pela designer japonesa Mika Tsutai. A fotografia de divulgação é uma obra à parte, mas o site da moça é muito confuso e não tem todo o conteúdo de promoção, então eu recomendo uma busca rápida no google.

Com vocês, Quarta Feira.

Ilustração: Sam Wolfe Connely

Sam W. C.

Sam Wolf Connely aplica conceitos de fotografia pra criar ilustrações quase realistas, mas cheias de fantasia. O resultado são essas situações, personagens e clima fantásticos de quase-sonho.

Vídeo/Música: Gil Scott- Heron – Where Did The Night Go?

Um fan-vídeo criado por Steffen Knoesgaard para a música/poema, do último álbum de Gil Scott-Heron. Bem melhor que o vídeo original, principalmente pela profundidade que dá à música

Escultura: Kate MacDowell

Kate MacD

Kate Mac Dowell cria esculturas ultra complexas em porcelana que tem como base a interação do homem com a natureza, mas vão bem além disso.

Blog: I C Y E Y E S \ The_King_Of_Limbs

ICYEYES TKOL

E eu achando que era fã.. lucio_tamino criou esse site (na verdade uma página no site que ja existia) só falando das referências contidas no último álbum do Radiohead, The King of Limbs, que são muitas e envolvem álbuns e músicas antigas, pinturas, pessoas famosas e anônimas, ciência moderna e uma cambada de mitologias e religiões. Pra quem achava que os cinco anos de espera foram demais pra o resultado..