Com vocês, Quarta Feira.

Quartas feiras sempre foram um problema pra mim, e depois que eu inventei de fazer esse blog só piorou, por que daí eu tinha que me preocupar em fazer as porcarias dos posts semanais. Mas agora as coisas vão mudar, eu vou fazer os posts na quinta feira. Não, brincadeira, eu tô atrasado mesmo; mas uma coisa que vai mudar é que eu não vou me forçar a fazer isso toda quarta. Se eu tiver material pra isso bom, se não paciência, faço quando puder, não devo nada a ninguém.

Então, pra começar o ano vamos focar no começo do ano. Desde que esse 2014 começou eu honestamente não posso dizer que estou passando pelo momento mais feliz da minha vida E É ASSIM QUE EU COMEÇO O ANO, SRAS E SRS, e eu estava animado pra esse ano, mas força que melhora. Enfim, eu me dei com uma pá de coisas que me deixam felizes e que eu fico com vontade de ver de novo e de novo, por que sim. A primeira delas é uma promessa, no caso de um álbum, por que desde que Metronomy lançou I’m Aquarius eu tô ouvindo e vendo esse lindo clipe e esperando pelo cd.


me leve pras alturas, banda maravilhosa

Metronomy é uma das minhas bandas favoritas e eles lançaram três álbuns maravilhosos em uma patada, um deles é uma das coisas mais inspiradoras que eu conheço, o Nights Out, recomendo 10/10. Ainda nessa vibe eletrônica/psicodélica, um site que eu não me canso de visitar é o cachemonet.


sutil

Cachemonet é um site gerador de arte aleatória, baseada em imagens curadas do tumblr, com uma música ótima de fundo (se chama Windowdipper, e essa música me viciou dum tanto). Parece bobo, e provavelmente é, mas tem 50% de chance de te viciar também, então eu tomaria cuidado.

Coisa que acabou de me deixar feliz também foi ler esse texto aqui, que nessa época tá mais necessário que tudo. se chama Pelo fim da patrulha do gosto alheio, e pede o fim da patrulha do gosto alheio. Não dou spoiler, leiam.


chupada do texto, auto explicativo

Agora a coisa mais maravilhosa foi esse vídeo. Se vocês quiserem ouvir a um apelo meu ouça este: veja. This Actually Happens A Lot do animador Tom Law, que inclusive tem uma pá de animações maravilhosas, mas essa, gente, fico sorrindo bobo..


sutil (de vdd)

Outra e última coisa a me deixar sorrindo bobo é o primeiro e único e homônimo cd do Suburban Lawns. Conheci no finalzinho do ano passado, no blog do Séamus Gallagher, aquele quadrinista que eu falei aqui. É divertido, rápido de ouvir, às vezes é mais explosivo, com uma leve gritaria, mas no geral é um tipo de post-punk animadinho (não faz muito sentido, tô ligado). Janitor, a música mais conhecida deles, dá até pra ouvir com a mãe que ela vai achar divertida, nem vai pereber que o filho tá escutando música obscura dos anos 80 e sendo uma decepção pra família..


pra ouvir Janitor clica na imagem, pra baixar procura no google que ninguém aqui é teu empregado

E é cantando “I’m a Janitor. Oh my genitals!” que eu encerro essa encomenda atrasada. Espero que curtam o novo formato, acho que vai me facilitar escrever essas coisas.. Digam o que acharam, se quiserem, se não quiserem eu não tô nem aí.

Anúncios

Com vocês, Quarta Feira.

Eu disse que eu voltaria, vadias.

Ilustração – Sam Ballardini

Sam Ballardini faz ilustrações e coloca no seu tumblr (por que seu site ainda está vazio, coitado), às vezes ele faz gifs como essa de cima, o que por si só já é mais empenho do que eu imagino que seja possível. A arte dele tem esse quê de algo que faltou ser explicado, ser completo, sei lá.. se você olhar muito tempo vai começar a tentar virar a cara pra ver os ângulos ocultos e ver coisas e vai ficar louco e se matar com um removedor de clipes. Recomendo 10/10.

Fotografia – Thomas Prior

E tem uma coisa desconcertante também na fotografia do Thomas Prior, principalmente nesse projeto que ilustra o post, chamado Tultepec. São todas fotos tirada em uma cidade do México (chamada Tultepec), no dia da “Quema de Toros”, data cuja qual não sei muito sobre, nem pretendo saber muito, que é pra não estragar a graça da coisa. As imagens, principalmente nesse clima de manifestações recente, parecem tanto quanto cenas de guerrilha quanto de comemoração, em um primeiro olhar um grupo fugindo de uma bomba, em outro são fogos de artifício.

Fotografia – Cope & Arnold

A fotografia de Nicholas Alan Cope e Dustin Edward Arnold também tem essa vibe de uma coisa incompleta, uma ação, cenário, personagem ou situação que parece fazer parte de uma coisa maior, que você não sabe o que é.. Mesmo sendo um monte de tinta (será?) parece muito dramático e pesado..

Vídeo – Malaria

Malária é um curta que combina Origami, Kirigami, TIme Lapse, Ilustração, Quadrinhos e Faroeste, foi um projeto criado para a competição Django Unchained Emerging Artist (isso mesmo, competição do Django Livre), não sei bem como foi essa porcaria, mas deu nesse curta, e é lindo, e eu amei e estou apaixonado.. Altos trabalhos, e é dublado em português, gente, veja só..

Filme – Funny Games


(IMDb/Trailer)

Falando assim de tantas coisas misteriosas, incompletas, mal resolvidas, agoniantes, relacionadas a morte, adivinha qual é a temática do filme de hoje???? Se você disse que é um filme agoniante e relacionado à morte você já entendeu o quão previsível eu sou.

Funny Games (Violência Gratuita, em português) é um ótimo filme, que eu recomendo muito, e que vai fazer você alternar entre o “Ok, o que exatamente está acontecendo?”, o “VIRA A CÂMERA, VIRA A CÂMERA”, o “NÃO VIRA A CÂMERA”, o “ufa” e o “VAI SE FUDER MUITO, CARA!”.

Acho que essa é a melhor maneira de descrever, ouso dizer uma das mais precisas descrições de filme que eu já fiz, tô de parabéns mesmo.

Funny games é do austríaco Michael Haneke, diretor de Amor, que concorreu pro oscar ano passado, e conta a história de uma família (pai, mãe, filho). Eles estão tranquilos em sua casa à beira do lago, mas recebem uma visita de uma dupla de psicopatas que decide apostar com eles: se eles ficarem vivos por 12 horas eles ganham (o que é que eles ganham exatamente, não fica claro). Daí começa, eles são atormentados pelos tais psicopatas durante essas doze horas, e todas as câmeras e cortes do filme funcionam de um modo que não fica claro quem sofre mais, se é um dos três membros da família ou se é você. É sério, amigos, esse filme é a ultimate prova do líder, ganha quem desistir por último. As cenas são perfeitamente custuradas pra te deixar agoniado, tenso, com raiva.. Não dá pra revelar spoilers, até por que são só cinco pessoas na trama, se eu revelar alguma morte já foi 20% do elenco. Eu adianto que é um baita filme, muito bom.. mas se prepara pra morrer de ódio, por que você vai ficar agoniado, e você vai querer que acabe, e que dê certo, mas não vai.

Haneke fez duas versões pra tortura, uma alemã, em 1997, e essa versão, a americana, de 2007. Eu não sei se tô preparado pra ver a alemã agora, vou dar uma pausa até lá por que eu não sou masoquista a esse ponto e eu tô agoniado até agora.

Nos vemos em breve.

Com vocês, Quarta Feira.

Boa noite uma ótima noite a todos. Então gente hoje eu vou falar bem rapidinho com vocês por que eu estou um pouco caindo de sono.

O Sono (do latim somnu, com o mesmo significado) é um estado ordinário de consciência, complementar ao da vigília (ou estado desperto), em que há repouso normal e periódico, caracterizado, tanto no ser humano como nos outros vertebrados, pela suspensão temporária da atividade perceptivo-sensorial e motora voluntária.

Essa foi uma pequena introdução pra quem não conhece eu peguei de um site super legal o nome é WW.WIKIPEDIA.COM quem não conhece pode acessar por que não é virus.

Vídeo – As Aventuras Existenciais de Tim Maia

Outra coisa que você pode mesmo clicar por que não é virus é essa imagem aí de cima. Se você clicar vai começar a passar um vídeo gente o site do vídeo é super legal chama youtube tem vários vídeos alguns são legais outros não. Esse é uma animação que fizeram pro lançamento duma coletânea do Tim Maia que foi lançada mundialmente, a animação é bem linda e é narrada pelo Devendra Banhart.

Ilustração – Brendan Wenzel

O que que é essa galinha João Gabriel? Olha eu não sei mas com certeza que o Brendan Wenzel sabe por que foi ele que desenhou, e não foi só isso que ele desenho por que ele também desenhou muito mais coisas, então não precisa ver só a galinha pode ver o resto, é só clicar na foto lá em cima ou então aqui no texto em azul.

Pintura – Michael Gaughan

O que é isso João Gabriel não consegui acessar do meu celular. É por que não é um qr code, querido, é uma obra de arte. Ah mas eu não entendi. Evidência 1 de que é uma obra de arte: isso mesmo, você não entendeu. O artista no caso é o Michael Gaughan (não tentem pronunciar) e ele pinta esse tipo de coisa, bem alegre, colorida, misturando uma modernidades, séries, com uma sacadinha bem humorada.. O sítio online dele você pode acessar sem pagar nada basta clickar nos links acima.

Vídeo – Havana Heat

Esse vídeo é muito legal, é bem fofo eu achei. Na verdade não é um vídeo é uma PROPAGANDA. Mas não deixa de ser um vídeo, né? É. Essa propaganda é de um site de livros que eu achei que seria bem legal mas na verdade vende livro do Nicholas Sparks, mas o vídeo vale à pena gente então assistam ele. Funciona igal o primeiro, só clicar na imagem que toca sozinho não precisa digitar linhas de comando nem sequer inserir um disquete.

Hoje eu não vou falar de filme nenhum por que eu não assisti nada que valha a pena botar aqui e por que eu quero dormir. Quem quiser dormir junto comigo pode é muito fácil basta deitar na sua cama e dormir por que eu já estou dormindo aqui na minha.

Um beijo ou até mesmo dois.

Com vocês, Quarta Feira

Existe uma boa razão pela qual eu não postei nada desde sexta cuja qual eu não vou falar, por que eu sou egoísta e ridículo.

Mas o que eu vou falar é que eu finalmente vi A Bruxa de Blair, e eu quero falar desse filme, então eu fiz uma seleçãozinha bem tosca de coisas relacionadas a horror/bruxas. Como eu não tenho muita coisa aproveitei pra falar de um outro filme que eu assisti, Berberian Sound Studio. Fica a dica pra quem tiver qualquer coisa medonha ou assustadora: me mande pois eu quero usar.

Clipe – Royksopp – What Else is There?

Eis aqui um clipe bem antigo, que é relacionado ao tema porém não ao gênero, mas eu quis colocar mesmo assim por que tem algo na bruxa do vídeo que me inspira demais, sei lá. A música é do Royksopp (que já deu as caras por aqui) com vocais da Karin Dreijer, vocalista do The Knife (que também já deram as caras por aqui).

Trailer – V/H/S

Agora esse.. O filme independente V/H/S é do mesmo séquito found-footage de A Bruxa de Blair, esses filmes gravados em primeira pessoa com a proposta de serem feitos a partir de gravações “reais” (só que é tudo de mentirinha).  Na história alguns jovens são pagos pra roubar uma fita de uma casa, e acabam encontrando vários VHSs, que por sua vez contém as seis histórias que compõe o filme, cada uma dirigida por um diretor. Aparentemente o filme é bem fiel à proposta (exceto pelo que parece ser uma conversa de skype gravada em vhs),  tanto que ele só existe em qualidade baixa. O filme já estreou, foi relativamente bem recebido, e já tem uma sequência confirmada, que aparentemente se chamará S-VHS.

Trailer – The Conjuring

Olha, eu sei que eu sou cagão e tenho medo de tudo, mas esse trailer me matou e e eu estou morto e enterradíssimo blogando do céu está muito legal dercizona mandou 1beijo. Assista, apenas, e depois venha aqui segurar minha mão pra eu poder dormir.

Filme – Berberian Sound Studio


(IMDb / Trailer)

O terror por trás dos filmes de terror. Essa foi a proposta de Peter Strickland quando ele criou Berberian Sound Studio, que acompanha a história de um engenheiro de som inglês, que é chamado até um estúdio na Itália para trabalhar na produção de um giallo, um subgênero de horror italiano, popularizado por Dario Argento (Suspiria, Phenomena) e Lucio Fucli (A Casa dos Mortos Vivos).

O filme na verdade é um anti-horror, abre mão de clichês, desconstrói todos os moldes e explora novas formas de fuder com a sua cabeça. Você não vai pular da cadeira, não vai agarrar o braço de ninguém, não vai roer a unha, mas a atmosfera macabra e o roteiro bem construído e super metalinguístico vão te prender e te deixar com cara de “que porra” quando acabar. Berberian Sound Studio foi considerado por alguns críticos e quem sabe por até mesmo euzinho como o melhor filme de 2012.

Aviso: pode ser que você deteste o filme com todas as forças.

Filme – The Blair Witch Project


(IMDb / Trailer)

Found-footage é um estilo que de tanto ser usado já tá perdendo a graça, e que já não é mais ousado nem inovador, mas antes dos 15 Atividade Paranormal existia A Bruxa de Blair que, se não me engano, foi um dos primeiros filmes desse estilo, e com certeza o mais marcante até hoje.

O filme conta a história de três colegas que se metem no meio da floresta pra fazer um documentário sobre a lenda da bruxa de Blair, mas eis que a lenda é mais real do que eles pensavam, e à medida que os três tentam sair da floresta a situação vai piorando, até o eventual encontro com a bruxa. Mas mais importante que o roteiro é o método de criação do filme: os diretores contrataram três atores especialistas em improvisação e deram pra eles o roteiro, que continha incríveis zero falas, e duas câmeras. O resto do filme basicamente aconteceu, todas as falas foram criadas pelos atores e todas as cenas foram gravadas por eles, enquanto a equipe cuidava basicamente dos efeitos sonoros, já que até a iluminação vinha da lanterna das câmeras.

Como resultado, um filme de horror que te joga pra dentro da situação agoniante dos personagens e te envolve numa atmosfera suja e aterrorizante, sem sequer mostrar o monstro. Pra quem gosta do gênero é uma sessão obrigatória.

Com vocês, Quarta Feira.

Sim, eu sei que é sexta e eu tô atrasado, mas o que importa é ter saúde.

Ilustração – Kimberly Denson

5373774310_d75f2cd358

Eu não sei muito sobre a Kimberly Denson, na descrição do flickr da pessoa está escrito somente “society as a hole”, achei legal, inteligente, mas informação que é bom? Sei que eu curto esse tipo de trabalho, misturando mídias, colagens, tintas..

Vídeo – Instant Face Maker

O Faceheads, criador desse vídeo acima, é um coletivo de arte de Moscou e, como eles mesmo descrevem, são “advogados da simplicidade”, interessados em tudo que é possível e extrapoladores de limites. Acho que descreve bem a essência do vídeo, fica como tarefa de casa procêis.

Escultura – Li Hongbo

Você provavelmente viu o Li Hongbo sendo compartilhado no facebook ou coisa parecida. Tudo bem, eu conheci ele por coisa parecida. Por alguma razão, de uns tempos pra cá ele bombou no facebook, no tumblr, no pinterest.. Talvez tenha a ver com as esculturas super complexas e maleáveis de papel dobrado que ele faz? Talvez. Mas talvez ele tenha comprado a internet e no caso nunca saberemos. O site que eu linkei acima é bem reduzido, recomendo jogar no google.

Vídeo – The Eagleman Stag

The Eagleman Stag é muito bom, e eu nem tenho certeza se eu entendi. Sei que é feito todo com papel, e é cheio de zooms.. então já se sabe que deu uma trabalheira, talvez por isso tenha ganho o BAFTA de melhor curta.. HOJE É O DIA DO TALVEZ~~

Clipe – Atoms For Peace – Ingenue

Ó! Ó! Se eu tivesse postado na quarta eu não poderia colocar este LINKS BÔNUS do clipe que saiu ontem QUEM É O ATRASADO AGORA????? Ai gente, não preciso nem falar que o Thom Yorke pode fazer o que ele quiser.. fazer clipe dançando então. Não deixe de conferir AMOK, o novo cd do projeto do Atoms For Peace, do Thom.

Livro – A Culpa é das Estrelas

Veja bem, no mês de fevereiro eu li muitos livros. Ao todo foram quatro livros, ou seja, quatro tapas na cara de quem falou que eu não ia conseguir.

*beija o ombro*

Dos quatro o que eu mais gostei foi A Culpa é das Estrelas, do John Green. Assim como eu absolutamente tudo que eu coloco aqui eu não quero falar muito sobre e eu não vou, por que vocês leem e ficam sabendo de tudo antes e “ah depois eu vejo rerer”. Mas eu posso adiantar que o livro é muito legal, não é clichê, não é previsível, é super tranquilo de se ler.. É um livro com dois adolescentes com câncer e não é nem sobre câncer nem sobre adolescência! É sobre essas coisas.. todas essas coisas.. estrelas e tal.

O que importa é: Leia esse livro, não leia esse blog. Sério eu sou estranho, escrevo tudo errado, nem leio de novo, eu usava bandana na cabeça pra ir pra aula quando eu tinha uns dez anos… pra quê, sabe?

Pra quê?

Com vocês, Quarta Feira.

Boa noite pessoal, gostaria de informar pra todo mundo que o aniversário foi um sucesso, obrigado a todos os envolvidos, a festa foi super legal, Nicole Kidman chorou horrores (também tava bêbada coitada). Mas agora estamos aqui de volta, amém obrigado.

Hoje eu não quero saber de tema por que temas são difíceis, eu estou limitado e eu não sou obrigado. Como se vocês se importassem, sei lá.

Música – The Knife – Full of Fire

Já falei dessa música demais, e já tá chato? Eu com certeza não me importo. E se você não ouviu a nova música do The Knife você com certeza não merece meu respeito nem meu tempo nem nada na vida. É maravilhosa, é de outro mundo, é incrível, é tipo uma bruxa horrorcore dando a luz ao demônio numa rave. O novo álbum deles tá previsto pra abril e vai ter uma hora e quarenta minutos de música. Com licença enquanto eu tenho um orgasmo.

Clipe – Dan Deacon – True Trush

Como o vídeo mesmo explica, Dan e Ben filmaram uma cena. Depois mostraram essa cena pra outra dupla, que teve uma hora e uma tomada pra recriar a cena como eles se lembravam. O vídeo dessa segunda dula foi mostrado pra terceira e assim vai. Eu gostei.

Fotografia – Sarah Illenberger


Sarah Illenberger é uma designer alemã, na maioria dos trabalho ela cria objetos pra fotografar, geralmente brincando com alimentos, nunca faz muito sentido e sempre é numa paleta de cores bem feliz e tal. Ela também tem um tumblr que é bem legal.

Web Série – Bravest Warriors

Bravest Warriors é uma série animada criada por Pendleton Ward, o mesmo de Adventure Time, também conhecida como um dos poucos desenhos animados atuais que se salvam. É o equivalente ao que o Futurama é de Os Simpsons, e é um tiquinho mais adulto.

Filme –  Silver Linings Playbook


(IMDb / Trailer)

AI MEU DEUS ESSE FILME É TÃO BOM. Vá já assistir e leve seus amigos e família e pares românticos por que este filme é ótimo? Sim, é. Eu vou parar de babar ovo por que daí vocês vão vir falar depois que não foi tão bom e perderam tempo (alô alô Martha Marcy May Marlene quantas reclamações).

Silver Linings Playbook, ou O Lado Bom da Vida conta a história de um homem e uma mulher, ele acabou de sair da clínica, diagnosticado com transtorno bipolar, ela perdeu o marido e o emprego. Daí eles se encontram e as coisas acontecem e não vou falar mais nada. Mas sério, é um ótimo filme, tá concorrendo ao oscar e atualmente é meu favorito da seleção. É um daqueles estilo The Descendants ou The Kids are All Right, que trata de  um tema e uma situação pesada de forma bem leve e amena, sem ser clichê nem brega.  E tem também a Jennifer Lawrence que é LINDA ME AME MULHER.

Boatos dizem que escrevi esse correndo e nem corrigi. Estão corretos. Nos vemos o mais cedo possível por que ainda tenho coisas ao montes pra arrumar.

Com vocês, Foda-se essa merda.

Tô ficando muito velho pra isso.

Não, sério. Eu vou fazer aniversário na sexta feira e, mesmo ainda sendo jovem e tendo vários anos de sucesso pela frente, eu passei esses dias da semana correndo atrás de compromissos, compras, celebridades pra convidar e contas pra pagar. De modo que vocês vão me desculpar mas eu não vou postar nada nesse resto de semana.

Eu gosto de vocês mas tá difícil e ainda tenho três crianças pra alimentar e jóias pra comprar..

Nos vemos em algum dia da próxima semana.

Com vocês, Quarta Feira.

E aí povo, fizeram o quê desde domingo? E a mãe de vocês tá sabendo? Pois bem, essa semana eu não vou falar de nenhum filme por que minha irmã viajou e levou o único computador decente daqui de casa, mas eu li um livro e vou falar dele, prentendo fazer isso uma vez por mês (por que eu me comprometi a ler pelo menos 12 livros esse ano).

Vídeo – The Most Popular Girls in School

Vamos falar sobre feminismo e papéis de gênero, que tal? A websérie The Most Popular Girls in School não tem nada a ver com isso mas até que tem, eu queria colocar ela aqui de qualquer jeito por que é lindo e genial e eu me mijei de rir o tempo todo, mas quando você percebe que tá assitindo dois caras brincando de barbie faz sentido. Na cara da Supernanny. Agora com licença que eu vou decorar todas as falas da série, you stupid fucking abortions.

Comic – Hark! A Vagrant

hark

Kate Beaton é uma ilustradora, formada em História, que faz quadrinhos geniais no blog Hark! A Vagrant. Os quadrinhos dela são muito bem humorados, simples e divertidos. Ela costuma fazer referências históricas, brincar  culutra pop e feminismo, como por exemplo as Feministas do mal da imagem acima (Straw Feminists, no original, mais sobre esse conceito no último link), As personagens mulheres e fortes e a Mulher Maravilha realista.

Ilustração – Séamus Gallagher

seamus

Eu odeio esse cara, por que ele faz essas ilustrações de um quadro que são ótimas e a personalidade dele também é ótima, e o gosto musical dele é ótimo e ele tem 17 anos e eu estou roxo de inveja. Séamus Gallagher tá sempre preocupado com essas questões sociais envolvendo os movimentos igualitários nas ilustrações dele, vide essa, essa e essa. Além das ilustrações o blog dele por si só é engraçado e tem ótimas músicas.

Vídeo – Tropes VS. Women

Mais uma web-série na seleção, pra você ter o que fazer no fim de semana, Tropes VS. Women é uma coleção de vídeos da Anita Sarkeesian, dona do Feminist Frequency, um blog que analisa a quantas anda a patriarcalismo no mundo e na cultura pop. Tropes são  personagens em histórias baseadas em atributos pré definidos, algo próximo de um arquétipo, na série Anita analisa arquétipos machistas na mídia, como as Straw Feminists, as Manic Pixie Dream Girls e o “Princípio de  Smurfette”. Interessante pra entender alguns dos clichês e problemas de abordagem das personagens femininas na mídia.

Livro – Por favor, cuide da mamãe

Quando eu percebi que eu não tinha visto nenhum filme essa semana / tinha um livro pra indicar pras pessoas, eu procurei relacionar os temas do livro com o tema da postagem, juro que cogitei falar sobre asiáticos.. enfim.

O livro conta a história da vida uma família depois do desaparecimento da mãe, acompanhando os pontos de vista da filho, do filho, do pai e da própria mãe, sempre em segunda pessoa (você é, em diferentes ocasiões, filha1, filha2, e pai). Feminismo não é o tema mais abordado do livro, mas faz sua parte na história, veja só; nos flashbacks e histórias do passado que são contadas na história (e são muitas), a mãe é sempre posta como a mulher “convencional”, ela vive pelos filhos e pelo marido, que por sua parte não reconhecem nada disso até ela desaparecer (o que enche umas 100 páginas do livro de familiares se arrependendo de serem mimados e mal agradecidos). O livro segue nessa linha, acompanhando a busca pela mãe e as lembranças de como ela era boazinha e oprimida.

O problema é que, depois que tudo isso é dito, o livro faz parecer que essa sumissão passiva da mãe foi a responsável por manter a família funcionando e tornar os filhos bem sucedidos. Apesar da denúncia, em diversos momentos o livro passa essa noção de que tá tudo bem fugir de casa com outra mulher, por que quando você voltar nove meses depois, sua mulher vai estar te esperando com a janta quentinha como a noiva submissa que ela tem que ser. Felizmente a autora conta tudo isso de forma bem bonita e delicada, e com uma interpretação mais calma do livro ele vai acabar fazendo você querer abusar menos da sua mãe e lavar mais louça.

“SÓ ME FALA SE É PRA LER OU NÃO” só se você já tiver lido O Senhor das Moscas. Se não vai ler O Senhor das Moscas (que é ótimo, mas não tem nenhuma mulher na história).

Com vocês, Quarta Feira.

Eu tenho uma boa e uma má notícia. A boa é que a cirurgia foi um sucesso, a má é que eu sou solteiro e frustrado.

Bom dia pessoal, vamos nós à nossa terceira quarta feira do ano, segunda do blog e primeira feita direito. Ó meu filho, chegou a hora de termos uma conversa sobre sexo, eu comprei pra você essa enciclopédia ilustrada em três volumes que vem com um VHS, vai pro seu quarto estudar e só volta quando decorar todas as secções da vagina.

Livro – Paying For It

Paying for it (Pagando por sexo no Brasil), é um quadrinho do artista canadense Chester Brown, e conta a história auto biográfica de quando sua namorada começou a namorar outro cara e levou esse cara pra morar na casa deles. Depois disso ele desiste de vez de namoro e amor convencional e começa a pagar por sexo (pelo método convencional que todo mundo conhece, prostitutas). De acordo com ele amor é pra seres humanos vazios e nossa única necessidade é o sexo. Tá bom então. Não consegui ler ele inteiro ainda, mas o quadrinho é bem criticado e foi eleito um dos 1001 quadrinho pra se ler antes de morrer. Sem links aqui mas se você procurar por “paying for it 2011” no torretz.eu tem um arquivo em cbz.

Ah, e também tá à venda pra ser comprado com dinheiro.

Clipe – Sebastien Tellier – Look

Aqueles que já conhecem Sebastien Tellier estão provavelmente pensando “AH MEU FILHO ISSO NÃO É SEXO PLMDDS KD COCHON VILLE” pra os quais eu digo: estou abordando o assunto de forma sutil (e por motivos de preto e branco). Fica a deixa também pra chegar o portifólio da dupla Mrzyk & Moriceau, que dirigiu o vídeo e tem umas ilustrações do tema geniais, e o vídeo de Cochon Ville, outra música do Sebastien Tellier (mas esteja alertado que ele dispara uma arara do pinto e isso não é nem de longe a coisa mais estranha do vídeo).

Fotografia – Allan Teger’s Bodyscapes

Não tem muito que eu queira falar sobre as fotografias do Allan Teger, além de que ele usa o corpo nu feminino como elemento pras suas paisagens criadas e que ele é um pouco otário. Digo isso por que o site dele é todo mal feito e não tem nenhuma foto dos trabalhos dele em qualidade decente, só pra comprar, então se quiserem conhecer um pouco mais (e o pior é que vale à pena por que são realmente muito bons) você pode jogar no google ou dar uma olhada nesse link desse blog que reuniu as melhores.

Vídeo – Hysterical Literature

Hysterical Literature é um projeto independente e ambicioso do fotógrafo Clayton Cubitt. Alguns dizem que é melhor não saber o que está acontecendo no vídeo antes de ver, mas eu vou deixar que vocês decidam. No blog da atriz Stoya, que protagoniza esse primeiro vídeo tem um post explicando tudo, então você pode ler lá. Mas de modo geral funciona de uma maneira muito simples: -SPOILErs- uma atriz se senta numa cadeira, por cima da mesa ela lê um trecho de um livro erótico, por baixo da mesa uma pessoa em posse de um vibrador a masturba até atingir orgasmo. O resultado é uma coisa linda de se ver 10/10 não consegui parar de assistir.

Filme – De Olhos Bem Fechados


(Trailer / Imdb)

De olhos bem fechados, último filme do diretor Stanley Kubrick, foi indicado ao globo de ouro e é protagonizado por Tom Cruise e Nicole Kidman, e se isso não é motivo suficiente pra você assistir o flme saia já da minha casa. A temática principal é sexo, sob os olhos de duas pessoas casada e com uma filha, mas como tudo que se espera do Kubrick é repleto de simbologia e pontas soltas que só ajudam a tornar o filme mais interessante. Vai assistir, tenho preguiça de ficar enchendo linguiça pra convencer vocês a ver as porcarias que eu coloco aqui, suas puta.

Sugestões, críticas ou adendos fique à vontade pra falar. “ACHEI LEVE QUERIA PEITINHO BUNDINHA E SURRA DE PIROCA” tá meu filho joga “pornografia de grátis” no google que você descobre um mundo de possibilidades, por que isso é o que tem pra hoje bjos nas zonas erógenas fui

Com vocês, Quarta-Feira

BOA TARDE PESSOAL. Como é bom postar de novo numa quarta feira esses vários links incríveis que vão fazer você pular da cadeira de emoção. Só que nem tanto, por que eu tô na casa dos meus pais e o computador deles não tem a) meus links salvos nos favoritos b) uma tela decente c) nada decente, e por motivos de isso mesmo eu não pude fazer um apanhado temático nem eleger um filme pra indicar, até por que eu  não vi nenhum filme que eu queira indicar recentemente. Mas ainda tem muita coisa boa pra ver e ouvir e se emocionar, segue a seta: ↓

Música – Andreia Dias – Pelos Trópicos

Pelos Trópicos é o terceiro disco da Andreia Dias (sem acento mesmo) e pode ser baixado DE GRAÇA no link. Andreia gravou o cd enquanto viajava pelas cidades do Norte, Nordeste, Sul e Sudeste do Brasil, saindo do Rio de Janeiro e terminando em Salvador, junto de bandas influentes de cada cidade. Lembrando que o cd pode ser baixado DE GRAÇA no site e que o cd pode ser baixado DE GRAÇA no site. Dica da Deusa Castro que mandou o link pra baixar o cd DE GRAÇA no post anterior. :)

Fotografia – Ralph Gibson

Ralph Gibson é um fotógrafo. É só isso que eu sei dele, e eu não tô afim de procurar informações genéricas na internet. As fotos dele são muito boas, sempre em preto e branco, sempre retratando pessoas. É o tipo de foto que parece retratar o que tem de mais íntimo e puro nas pessoas, que contam histórias (que ganham notes no tumblr).

Ilustração – Richard Perez

Richard Perez é um ilustrador e designer de San Francisco. Tudo que ele cria vai pro blog Skinny Ships. O estilo dele é bem simples e divertido,e ele sempre tá criando ilustrações relacionadas à música, inclusive em todo final de ano ele faz a lista dos álbuns favoritos dele de uma forma diferente e criativa, esse ano ele optou por misturar motion com tipografia e o resultado ficou muito legal.

Culinária – 2 ingredient recipes

O BuzzFeed (um desses sites de coisas aleatórias da internet que te afastam de qualquer forma de produtividade) fez uma seleção de 34 receitas simples que usam apenas dois ingredientes, tudo bem organizado e com imagens pra ilustrar (daí até um analfabeto funcional como eu pode aprender). Tem doce, salgado, vegan, integral, gorduroso, pobre e chique. Muito bom pra quem(eu) não tem dinheiro e nem como conseguir os 450 tipos de farinha que algumas receitas otárias pedem e que você faz e não dá certo e seu macaron fica parecendo um biscoito feito de paçoca e sola de sapato.

Dê sugestões (SÉRIO EU TÔ SEM NADA), feedback e/ou dinheiro. Nos vemos em breve pra mais aventuras.